terça-feira, 13 de maio de 2008

Ventura em estreia no Funchal

O navio de cruzeiros Ventura, da P&O Cruises, fez escala pela primeira vez na Madeira, em viagem da Corunha, Espanha, para a ilha de La Palma, nas Canárias. O Ventura foi construído nos estaleiros italianos Fincantieri sendo o mais recente paquete da classe Grand Princess, tendo entrado ao serviço em abril último. Com 113.650 toneladas de arqueação bruta e 289,6m metros de comprimento, o Ventura tem capacidade máxima para 3597 passageiros.

7 comentários:

Ysa disse...

Estimado Luis Filipe,
Encontrei, por acaso, o seu interessante blog, de extraordinária qualidade, na descrição e nas imagens. Parabéns, desde já será um dos meus "cantinhos" à visitar regularmente.

Bom trabalho,
Saudações marítimas,
Isabel

Luís Filipe Jardim disse...

Obrigado pelo seu gentil comentário. Fico satisfeito em saber de mais uma visita ao blog e que as senhoras estão também cada vez mais interessadas pelos navios. Muito bem. Obrigado
Saudações marítimas do
Luís Filipe

N. Sousa disse...

Caro Luís Filipe,
muitos parabéns pelo excelente trabalho que o Clube de Entusiastas de Navios, e em particular a sua pessoa, desenvolvem em prol da promoção do Funchal e desta magnífica indústria que é o turismo de cruzeiros. Mesmo não sendo associado do vosso clube, nutro, tal como, acho eu, todos os funchalenses que têm uma varanda ou janela com vista para o porto, um enorme entusismo pela chegada, permanência e partida dos fascinantes e imponentes gigantes do mar que frequentemente nos dão a honra da sua visita. Nesse sentido, a simples existência do vosso clube é para mim um grande motivo de satisfação, acrescido do facto de saber que fazem um trabalho realmente sério e meritório e são um rosto digno e credível nas boas-vindas aos novos navios e não só.
Assim, tendo presente que a vossa associação, pela credibilidade, profissionalismo e paixão demonstradas na sua área de actuação, é uma entidade que já ganhou o respeito e atenção junto dos decisores políticos, apelava-lhe que sensibilizasse esses mesmos decisores para a necessidade de prolongamento do cais sul, dadas as novas exigências do mercado de cruzeiros. Não acho concebível iniciar as obras da nova gare sem ponderar a extensão de pelo menos mais 300m daquele cais. Tecnicamente é perfeitamente possível e os estudos hídricos da dinâmica das ribeiras que desaguam na baixa, demonstram que este prolongamento não poria em causa essa dinâmica. Penso que isso será inevitável a curto prazo, se quisermos realmente manter a competitividade do nosso destino como porto estratégico e bem dotado em temos de condições de atracagem.
Cumprimentos e continuação de excelente trabalho.
N. Sousa

Luís Filipe Jardim disse...

Obrigado pelas palavras que servem de incentivo a continuar esta missão de há cerca de duas décadas, cujos resultados começam agora a surgir. Sobre o prolongamento do cais sul, partilho da mesma opinião, sempre num projecto de desenvolvimento integrado e sem o porto perder, jamais, a sua vocação portuária.
Agradecimentos e saudações marítimas do Luís Filipe

paulo disse...

Concordo que a melhoria das condições portuárias constituiria uma mais-valia para a Região e contribuiria para a melhoria da nossa imagem perante os visitantes. No entanto, não deve o nosso porto ser uma condição para o sucesso da Madeira como escala de navios de cruzeiro. Relembro que a pequena vila de Villefranche não possui porto para cruzeiros e no entanto é provavelmente um dos locais mais visitados no Mediterrâneo assim como algumas ilhas das caraíbas.
Saudações marítimas
Paulo Freitas

Luís Filipe Jardim disse...

É verdade que assim acontece nas Caraíbas, no Mediterrâneo e noutras regiões do globo. Não querendo utilizar a expressão popular "com o mal dos outros posso eu bem", creio que devemos pensar a médio longo prazo e reflectirmos que a Madeira atrai mais navios de cruzeiro na época de inverno, quando o mar por vezes pode dificultar o desembarque, o que acontece raras vezes, é certo. Não sei se os tais portos das Caraíbas ou do Mediterrâneo se não questionam o prolongamento de alguns cais. Veja-se a ilha de St. Thomas que ampliou o seu espaço de atracação ou o Porto de MonteCarlo que dispõe recentemente de um novo cais para navios de cruzeiros. mas concordo que esta não é a primeira prioridade do Porto do Funchal. As primeiras estão entre a melhoria dos pavimentos, a sinalização horizontal e vertical para os passageiros e claro as gares marítimas de cruzeiros e para o tráfego doméstico (ferrys para Porto Santo e Continente). Saudações marítimas do Luís Filipe

lotto online disse...

Thanks. Im Inspired again.