terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Oriana cancela escala no Funchal
















O navio de cruzeiros Oriana cancelou a escala programada para o Funchal. O paquete inglês deveria fundear devido a falta de espaço de atracação, como decidiu a coordenação do porto do Funchal. No molhe da pontinha atracados os navios MSC Fantasia e Costa Marina. O Oriana ainda passou frente ao Lazareto mas o comandante do navio optou por seguir viagem rumo a Southampton. Uma viagem transatlântica desde Barbados(6 dias de mar) que se juntam agora mais 3 dias de navegação até Southampton. Noutras ocasiões, ao molhe da pontinha atracaram três navios com dimensões aproximadas, o que não aconteceu hoje. Infelizmente para um navio de uma das companhias, a P&O, que mais cruzeiros faz com escalas na Madeira. Por vezes, e em situações semelhantes, as empresas acabam por retirar consequências, o que se espera não aconteça a bem da Madeira enquanto destino de cruzeiros. A MSC por exemplo, que garantiu atracação com o MSC Fantasia, é uma companhia mais nova e com muito menos escalas no Funchal. O Costa Marina tinha também menos passageiros a bordo do que o Oriana e podia fundear. Ficará a dúvida das razões que levaram o Oriana a não atracar no molhe da pontinha. Fotos: Webcam Oriana, P&O ; Madeira-Web ; Luís Filipe JardimEstas fotografias foram obtidas no fim do ano de 2006.

13 comentários:

Anónimo disse...

Os critérios da coordenação da APRAM em relação à disposição dos navios no Porto do Funchal são muito discutíveis... Atente-se que, a 31/12/2005, estiveram atracados ao molhe sul os navios "Queen Elizabeth 2" (L = 294 m), "Aurora" (270 m), "Costa Marina" (174,20 m) e "Lobo Marinho" (112 m) totalizando um comprimento de 850,20 m. No dia de hoje, se tivessem atracado ao molhe sul os navios "MSC Fantasia" (L = 333 m), "Oriana" (260 m), "Costa Marina" (174,20 m) e "Lobo Marinho" (112 m) teríamos um comprimento total de 879,20 m, ou seja, apenas mais 29 metros face ao comprimento total dos navios atracados em 31/12/2005. Nessa data o "QE2" deixou cerca de 25 m livres até à extremidade do molhe da pontinha, pelo que é fácil de perceber que seria exequível a atracação dos 4 navios no molhe sul no dia de hoje. Porém, devido à ondulação forte, mesmo dentro do porto, seria de maior prudência mudar o "Lobo Marinho" para o terminal norte, podendo assim o "Costa Marina" atracar cerca de 30 a 40 metros mais para "dentro" do porto. Incompetência, excesso de zelo? Fica a questão. Mais uma vez saíu penalizada a P&O Cruises, companhia que há várias décadas tem dado especial preferência ao nosso porto nos seus itinerários de cruzeiros. Já a 1/5/2005 o "Oriana" teve de fundear devido a falta de cais. Directamente perdemos 1800 passageiros, indirectamente podemos ter perdido mais...

Jason disse...

Numa palavra...Incopetencia!!

Tio jardim disse...

Ou estão cegos ou não notaram 2 coisas, 1º O navio de guerra no cais sul que ainda é grande, 2º a areeira no cais norte [Pelos vistos descarregar areia é mais importante que descarregar 2000 turistas!!

Este tipo de barcos de guerra que vão dar uma voltinha e não atrapalhem os cruseiros!!

E ja se esqueceram que o Fantasia cancelou o fim de ano de 2010 por falta de espaço?!?!?! Se o pomos a fundear nas poucas vezes que vêm a madeira então é que deixa de aparecer, e o oriana tambêm têm a noite de fim de ano garantida, por isso que não resmunge de fundear 1 ou outra vez ao ano.

Anónimo disse...

Podia ter havido outra alternativa e fazer atracar o Oriana e até os outros dois cruzeiros. Acho que a APRAM deveria dar uma explicação pública evitando a especulação. Uma coisa é certa, o turismo de cruzeiros deve ser uma prioridade estratégica da Madeira. Acredito que será!

LUIS MIGUEL CORREIA disse...

Certamente que os responsáveis pela coordenação portuária agiram dentro do melhor espírito de eficiência habitual nos serviços públicos portuários em Portugal, defendendo o bom nome do destino Funchal - Madeira no importante mundo dos cruzeiros. Aplicarama ao ORIANA e à P&O a máxima nacional "Em casa de ferreiro, espeto de pau" se tivermos em conta que a P&O é o operador de navios de passageiros mais antigo a vir à Madeira. Alguém imagina a data? Fica aqui o nome do primeiro paquete a visitar o Funchal com fins turísticos: WILLIAM FAWCETT. Mais uma ajuda: ano de construção-1829. Descubram o resto da história, que inclui igualmente Lisboa.

LMC

Pedro Freitas disse...

A mim também me cheira à mais pura incompetência!!! Custa-me muito dizer isto, mas ali para os lados da APRAM muitas vezes o que transparece para o cidadão comum é que perante uma decisão imprevista e crítica a tomar, está o pessoal todo no café, e chega-se à frente a empregada de limpeza que por ali passou por acaso, e dá um palpite que é de imediato acolhido e aceite sem mais delongas nem possíbilidade de recurso!
Li algures que os calados dos três navios previstos para hoje não se coadunam com as condições do cais norte (o que acho muito pouco provável...) Pois bem, consideremos o cais sul. É simples fazer as contas (o meu filho de sete anos aqui ao meu lado vai fazê-las a ver se alguém da APRAM aprende): 334m (MSC Fantasia) + 260m (Oriana) + 174m (Costa Marina) = 768m. Será que o cais sul não comporta um conjunto de navios destes com os devidos afastamentos?! Ah, e então o Lobo Marinho? Para isso existia o cais norte, e ainda dava para acomodar o monte de sucata (areiros, entenda-se) que hoje lá estava. Agora impor a um navio que vinha de seis dias de viagem transatlântica, com mais três pela frente (e que tinha escolhido a Madeira e nenhum outro porto como ponto intermédio de escala), que fundeie ao largo, ficando exposto a condições meteorológicas extremas, é, meus senhores, brincar com o fogo! São imcompetentes, RUA! Ou explicam publicamente e de forma plausível o que se passou, ou cedam lugar IMEDIATAMENTE a quem percebe do assunto, e se preocupa realmente com a imagem deste destino e com a importância que este nincho de mercado já representa para a nossa economia.

Por/By Luís Filipe Jardim disse...

Viva Luís Miguel,

o princípio da história dos cruzeiros... a P&O na origem desta grande industria de turismo e hoje curiosamente propriedade do maior grupo de cruzeiros do mundo. Acredito nas condicionantes de um porto em obras, mas que também já acolheu 3 navios em simultâneo nessas condições; mais me custa a aceitar o tratamento a uma empresa como a P&O com o seu navio a ficar ao largo numa viagem transatlântica. Sinceramente não esperava que a minha terra de saber receber fizesse isso a essa companhia que está na origem dos cruzeiros. Enfim... só espero que quem hoje faz os itinerários da P&O e que beneficia a Madeira não acabe por a afastar do mapa dos cruzeiros da P&O e das outras empresas do grupo Carnival, como a Cunard, Costa, Holland America, Princess Cruises, Seabourn, Aida... Espero que não... A bem da Madeira!

Por/By Luís Filipe Jardim disse...

Curiosamente, o agente de navegação Blandy, que mais navios traz à Madeira, e que representa a P&O, hoje não tinha nenhum navio atracado... JFM, com o MSC Fantasia, e Ferraz, com o Costa Marina, garantiram atracação... Outra questão por esclarecer... De resto as fotografias com o QE2, Oriana e Costa Marina, em 31.12.2006, podem ajudar a esclarecer algo mais...

Anónimo disse...

Espero que esta discussão seja muito participada e que dê frutos, para que situações como a de hoje não se voltem a repetir. Quando não há condições de acomodar mais um navio, não há. Agora, quando nas barbas dos funchalenses, todos presenciam uma situação confrangedora como esta, sabendo-se que há uma solução, apenas à distância de um estalar de dedos...

Nuno Nunes disse...

Grande vergonha, o que aconteceu ontem. Agora devemos de expor todas estas ideias nas cartas do leitor do Diário de Notícias, para presionar a Apram a vir publicamente, dar uma justificação.

Quim disse...

Bom veio-se a saber atraves dos jornais que quando o Oriana reservou a atracagem a cerca de 1 ano, esta ja sabia que não ia ter Porto!! Mesmo assim decidio continuar, porque estava a pensar usar os botes para desembarco.

Mas isto cheira-me a desculpa esfarrapada da Apram!! Como é que ja sabiam que não ia haver porto a cerca de 1 ano com apenas 2 barcos!?

Anónimo disse...

E a P&O Cruises costuma reservar com muita antecedência... há já muitos anos que é assim. É uma questão de perguntar à agencia Blandy que representa a P&O como agente de navegação. Ou então perguntar à APRAM quando é que os navios fizeram a reserva de cais... se é que têm esses dados...

barconauta disse...

Para a próxima vez que visitar a Madeira vou de areeira. Garanto o meu lugar no cais norte, com excelentes acessibilidades à cidade, descarrego a minha viatura com o balde da retroscavadora, parto metade do cais e sujo a outra metade. Arranjo lugar para a viatura naquele sítio onde os contentores tapavam a vista do belo cais com vista para os navios e que com a sua saída, todos os Funchalenses ficaram a ganhar, uma vista soberba que ali se ergue e agora os impossibilita de ver que até os navios já não atracam do outro lado! Eh Eh é uma alegria, esta gestão portuária. Ah talvez acabe por deixar a viatura noutro lado, porque aquele parque terá de gerar receitas para alguém...T
ambém terá de cobrir as receitas que o mau-tempo e as fortes ondulações, aquelas vagas enormes, tipo de meio metro levam! Quem as vai pagar não sou eu, disso tenham a certeza!
A solução do porto do Funchal estava no cais norte...estava, pois, eu estava a falar de navios, não é de viaturas, mas se assim querem , está no silo...já agora aproveitem aquilo bem e saibam gerir, porque uma sala de chuto no centro da cidade, a médio prazo dá má imagem...